terça-feira, 26 de outubro de 2010

JESUS ENSINOU A ORAR ( PARTE 2) DOM. 24/10/2010

Jesus ensinou a orar. Aprendendo a orar o Pai Nosso com Jesus. (2ª. PARTE).
5. Perdão “E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores” Jesus aborda um ponto muito importante das relações humanas, ou seja, ofensor e ofendido. O ofensor sabendo que machucou alguém e não buscando o perdão não terá a sua oração ouvida. O ofendido se não perdoa a sua oração também não terá resposta. Tem gente que ora muito tempo, mas sua oração não passa do teto, porque não há perdão. Não existe exceção! “O único impedimento na oração ensinada por Jesus é a falta de perdão”. Aqueles que não perdoam estão em pecado, e Deus segundo Jesus mesmo disse não ouve a pecadores. Por isso, para termos orações atendidas a melhor coisa é perdoar. “Aqueles que vivem retribuindo o que as pessoas merecem não falam com Deus, falam sozinhas.” No evangelho de Jesus é assim: A gente recebe perdão e perdoa. A gente perdoa e recebe perdão. Regras espirituais do Perdão:
1. Perdoe quantas vezes precisar;
2. Não espere o ofensor se arrepender;
3. Tome iniciativa não espere o outro;
4. Restaure a comunhão quando tiver mudança;
5. Para perdoar não precisa sentir, mas agir;
6. Abençoe com palavras o ofensor;
7. Não queira pagar na mesma moeda.

6. Proteção “E não nos deixes cair em tentação” Como pessoas normais somos tentados o tempo todo, ninguém está isento das tentações. Por isso nossa oração deve ser: Livra-me de querer bater no meu irmão; Livra-me de xingar minha esposa e filhos; Livra-me da tentação de querer dormir com a minha namorada; Livra-me da tentação de roubar a empresa que trabalho; Livra-me da tentação de ficar com os dízimos e ofertas; Livra-me de trair meus pastores e líderes; Livra-nos dos vícios, das drogas.
Livra-nos dos cativeiros espirituais; Que baixam a nossa auto-estima; Livra-nos da imagem negativa de nós mesmos;
Livra-nos dos poderes malignos; Dos enganos e sofismas; Das setas do inferno na mente; Livra-nos das doenças e da dor;
Livra-nos dos homens maus; Dos violentos, das balas perdidas, da violência das ruas, dos alcoolizados no trânsito.
Livra-nos da nossa própria maldade; De nossa natureza maligna e da nossa carne. Livra-nos do nosso próprio ego e de suas manifestações egoístas.
7. Preço “porque teu é o Reino, o poder e a glória para sempre. Amém”. “Depois da queda de Lúcifer todos agora querem o reino, o poder e a glória. O homem se tornou o ego absoluto, e agora como o diabo quer o Reino, poder e glória.”
Reino é poder é querer ser visto é querer se exibir é querer aparecer. Poder aponta para posição que ocupamos. Glória é o desejo de ser admirado, elogiado, reconhecido pelos seus feitos. Jesus terminou a oração com adoração, porque a adoração mata o nosso ego. Quando adoramos dizemos: eu não sou Deus, Ele é Deus o único merecedor do reino, poder, glória e tudo mais.
pr. Cristian Pinho

sábado, 23 de outubro de 2010

Pr.Alessandro Viana quarta-feira 27/10/2010

Convidamos você e toda a sua família
para estar conosco também na próxima quarta-feira (27/10) às 19h30,
neste dia receberemos a presença do
Pr. Alessandro Viana (pastor, conferencista, escritor)
e da cantora Jacqueline, ambos de Santa Catarina.
O pr. Alessandro Viana é um dos conferencistas do grande evento
Gideões, feito anualmente em Camboríu / S.C.
ESPERAMOS VOCÊ, NÃO VENHA SOZINHO CONVIDE UM AMIGO,
UM VIZINHO, UM FAMILIAR SEU! SERÁ UMA BENÇÃO. Até lá!

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Jesus ensinou a Orar Dom. 17/10/2010

Jesus ensinou a orar. Aprendendo a orar o Pai Nosso com Jesus (1ª. Parte).

De uma feita, estava Jesus orando em certo lugar; quando terminou, um dos seus discípulos lhe pediu: Senhor, ensina-nos a orar como também João ensinou aos seus discípulos. (Lc 11:1-2)
Na época de Jesus era costume dos Rabinos (Mestres) ensinar aos seus discípulos as práticas espirituais e uma delas era a oração. Os discípulos de Jesus pediram que Ele também os ensinasse a orar. E Jesus atendeu seus pedidos fazendo a tão conhecida oração do Pai Nosso.
Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu reino; faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu; o pão nosso de cada dia dá-nos hoje; e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores; e não nos deixes cair em tentação; mas livra-nos do mal {pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre. Amém}! (Mt 6:9-13)
Nesse texto Jesus não estava ensinando uma oração que deve ser feita repetidamente ou exaustivamente como uma reza. A oração do Pai Nosso serve como um modelo, um roteiro que nos ensina como orar. Jesus dividiu a oração em 7 aspectos importantes que abrangem todas as necessidades e áreas de nossa vida.
1. Paixão “Pai nosso, que estás nos céus...”
Jesus deixou os religiosos da época perplexos e de cabelo em pé com esta afirmação, pois, até então ninguém tinha chamado o Deus Todo-Poderoso de Pai. Jesus mostrou a seus discípulos que Deus deseja ter um relacionamento de intimidade. Deus é o nosso Pai e espera que nos aproximemos Dele como filhos.
2. Poder “Santificado seja o teu nome...”
Como filhos podemos honrar ou desonrar o nome do Nosso Pai. Jesus nos ensina a viver de modo consagrado, através de nossa consagração o mundo glorificará o Nome do Pai. (Mateus 5:16). Santificar o nome é manter a fé no meio das adversidades da vida, sem negar a Deus. Santificar é mostrar através de minha vida a diferença entre o que é santo e o profano.
3. Propósito “Venha o teu reino; faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu...”
Ter Jesus como Salvador é ótimo. Mas para que a vontade Dele seja feita aqui na terra como no céu precisamos tê-lo como Senhor.
No céu a vontade de Deus é feita prontamente, imediatamente e sem questionamentos. E aqui na terra como é feita a vontade de Deus? Somente quem confessa Jesus como Senhor está qualificado para fazer Sua vontade.
Muitas vezes negamos fazer a vontade de Deus, principalmente quando não entendemos ou não gostamos. Jejuar e orar sem sombra de dúvidas é a vontade de Deus, porém muitos se negam a essas práticas espirituais.
Seguir a Jesus não é só para ver milagres ou receber bênçãos. Seguir a Jesus é pisar onde Ele pisa, não é fazer aquilo que penso ou acho, mas seguir o que Ele quer. Seguir a Jesus não é decidir o que é certo ou errado, e sim perguntar a Ele: “o que o Senhor quer que eu faça?”
Jesus ensinou os discípulos a orar assim:
Faça a sua vontade em minha vida; Faça a sua vontade nas minhas finanças; Faça a sua vontade na minha família; Faça a sua vontade na minha célula e igreja;
Se orarmos assim teremos o coração de Deus!Nossa oração não ficará no teto, nem será desprezada.

4. Provisão “O pão nosso de cada dia dá-nos hoje...”
Jesus falou do pão não apenas como alimento natural. Ele se refere ao Pão como todo suprimento de todas as necessidades humanas.
A oração pelo pão é a oração pelo trabalho. É a oração pelo afeto. É a súplica pelo “pão” benção de Deus para que possamos enfrentar a vida e seus desafios. É a súplica pela saúde, pela paz e alegria. Jesus quando fala do pão está falando de nossas necessidades físicas e emocionais, e também da fome de nossa alma. Podemos chamar de fome espiritual, fome pela presença de Deus. Ele está falando para comermos do Pão da vida. Você tem fome pelo Pão da vida?
Continua na próxima semana...
Pr. Cristian Pinho

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

SÁBADO DA ALEGRIA * 09/10/2010 ACONTECEU

video

DESTRONANDO O REI ESTÔMAGO DOM. 10/10/2010

DESTRONANDO O REI ESTÔMAGO
Podemos dizer que o jejum é uma poderosa arma espiritual contra o inferno e um grande instrumento para edificar nossa fé e ver o poder de Deus liberado. A partir de segunda-feira 11/10; daremos início ao “Projeto Pescadores de Almas”, que tem duração de 40 dias de Oração, Jejum e Evangelismo. Todo projeto tem um lugar de nascimento, e quando Deus coloca no seu coração sonhos que podem ser alcançados somente pelo poder do céu, então você precisa jejuar e orar. O jejum libera a unção, o favor e a bênção de Deus sobre seus filhos.

As três dobras – combinação poderosa.
Muitos carregam conceitos errados a respeito do jejum. Em primeiro lugar o jejum não é simplesmente ficar sem comer. Isto é dieta ou passar fome, mas não jejum. O jejum também não é algum tipo de penitência praticada por fanáticos e nem é algo para ser feito apenas por monges que vivem trancados em algum mosteiro. De maneira simples: o jejum é abster-se de comida para um propósito espiritual.
No capítulo 6 de Mateus enquanto Jesus dava a constituição do Reino ele falou de três coisas que todo discípulo deveria fazer e ensinou a maneira correta de fazê-las: “quando deres” (v. 2), “quando orardes” (v. 5) e “quando jejuardes” (v. 16). Ofertar, orar e jejuar são as três dobras de uma corda espiritual que não pode se romper (Eclesiastes 4.12). Essas três coisas quando praticadas juntas produzem solidez na vida do discípulo.
Todos concordam com a oração, alguns com a oferta, mas muito poucos cristãos realmente possuem a disciplina do jejum. Precisamos apenas nos lembrar que se Jesus, que podia todas as coisas, teve de jejuar, muito mais nós para romper com as cadeias espirituais.

Destronando o rei estômago.
Uma vez que você decide jejuar o Senhor lhe dá uma graça especial para chegar ao fim do jejum, porque o Senhor olha o coração. Mas você tem que tomar a decisão de tirar o seu estômago do trono. Muitos irmãos fogem do jejum porque são controlados pelo seu estômago, não gostam nem de pensar em ficar durante um dia ou um período, sem algumas refeições ou sem algum tipo de alimento. Na verdade para alguns o alimento tornou-se um rei ou um deus que deve ser destronado. Dizem que o caminho do coração dos homens é o estômago, e que o diabo sabe disso.

a. O homem caiu pelo estômago.
Você e eu sabemos que o homem só caiu no Éden por que viu que “a árvore era boa para se comer e agradável aos olhos” (Gn 3.6). O estômago foi o primeiro a cair e depois da refeição agradável o homem se escondeu no meio das árvores do jardim. Hoje sofremos as conseqüências do apetite deles.

b. O pecado de Sodoma.
Pensamos que o pecado de Sodoma e Gomorra estava relacionado apenas com sexo e perversões, nem todos sabem que a comida foi também uma causa.
“Eis que esta foi a iniqüidade de Sodoma, tua irmã: soberba, fartura de pão e próspera tranqüilidade teve ela e suas filhas; mas nunca amparou o pobre e o necessitado. Foram arrogantes e fizeram abominações diante de mim; pelo que, em vendo isto, as removi dali” (Ez 16.49,50).
Veja as três dobras aqui: ela não ofertou ao pobre, fizeram abominações em vez de orar e também viviam da fartura do pão, isto é, glutonaria.

c. O desprezo de Esaú.
Jacó cometeu muitos erros, mas no fim recebeu a bênção no lugar de Esaú. Talvez Esaú fosse uma pessoa melhor do que Jacó, mas era escravo do seu estômago. “Esaú respondeu: Estou a ponto de morrer; de que me aproveitará o direito de primogenitura? Deu, pois, Jacó a Esaú pão e o cozinhado de lentilhas; ele comeu e bebeu, levantou-se e saiu. Assim, desprezou Esaú o seu direito de primogenitura” (Gn 25.32,34).

Esaú perdeu a bênção por causa da cobiça da gratificação instantânea. O autor de Hebreus nos adverte para não sermos como Esaú, chamado de impuro e profano. “Nem haja algum impuro ou profano, como foi Esaú, o qual, por um repasto, vendeu o seu direito de primogenitura” (Hb 12.16). Trocar coisas espirituais por comida é se tornar impuro e profano aos olhos de Deus.

d. Os murmuradores do deserto.
Depois que Deus libertou o povo da escravidão do Egito, os conduziu para o deserto onde por quarenta anos os sustentou com o maná. Eles nunca ficaram doentes, porque era uma comida perfeita dos céus. No entanto a Bíblia diz que:“E o populacho que estava no meio deles veio a ter grande desejo das comidas dos egípcios; pelo que os filhos de Israel tornaram a chorar e também disseram: Quem nos dará carne a comer? Lembramo-nos dos peixes que, no Egito, comíamos de graça; dos pepinos, dos melões, dos alhos silvestres, das cebolas e dos alhos. Agora, porém, seca-se a nossa alma, e nenhuma coisa vemos senão este maná” (Números 11.4-6). Deus ouviu suas reclamações. E como qualquer filho pode testemunhar, não é uma boa idéia reclamar da comida da mãe. Então o Senhor disse: “amanhã comereis carne; porquanto chorastes aos ouvidos do SENHOR, dizendo: Quem nos dará carne a comer? Íamos bem no Egito. Pelo que o SENHOR vos dará carne, e comereis. Não comereis um dia, nem dois dias, nem cinco, nem dez, nem ainda vinte; mas um mês inteiro, até vos sair pelos narizes, até que vos enfastieis dela, porquanto rejeitastes o SENHOR, que está no meio de vós, e chorastes diante dele, dizendo: Por que saímos do Egito?” (Números 11.18-20). E eles comeram até se empanturrarem, mas enquanto ainda estavam com a carne entre os dentes veio o juízo sobre eles e muitos morreram (v. 33). Deus tinha bênçãos sobrenaturais para os israelitas no deserto, mas eles preferiram os apetites carnais. Muitos não têm recebido mais de Deus porque ainda são governados pelo rei estômago. Deus quer derramar Suas bênçãos sobrenaturais em nossas vidas nesses 40 dias de Projeto, porém precisamos entender que Ele deseja que jejuemos e oremos. Precisamos compreender que sem o sacrifício do jejum e da oração nós não romperemos, nem veremos a multiplicação de nossas células. É através da oração e do jejum que os céus sobre nós se abrirão e aí sim veremos nossa geração sendo conquistada para Cristo!
Pr. Cristian Pinho

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

CEIA DO SENHOR 10/10/2010

dia 10/10/2010 CEIA DO SENHOR
E LANÇAMENTO DA CAMPANHA PESCADORES DE ALMAS.
DIA 11/10/2010 INICIO DO JEJUM DE 40 DIAS DA CAMPANHA.
DIA 23/10/2010 CAPACITAÇÃO PARA
LÍDERES E LÍDERES EM TREINAMENTO ÀS 15h

6 Motivos porque precisamos orar - Dom. 03/10/2010

6 motivos porque precisamos orar.


INTRODUÇÃO: Deus tem um plano maravilhoso para que possamos influenciar a nossa família, nossa cidade e a nossa geração. Este plano não é apenas para alguns poucos escolhidos, mas é para cada pessoa que verdadeiramente ama o Senhor de todo o seu coração. Mas para que isso aconteça, Deus colocou uma arma muito poderosa em nossas mãos. Essa arma chama-se oração. Através da oração, podemos estar em qualquer lugar do mundo, abençoando a vida de pessoas que ainda se encontram perdidas, de pessoas que estão trabalhando para o Reino e sendo colaboradores para trazer salvação.
Alguns motivos porque devemos orar:

1. PARA TERMOS COMUNHÃO COM DEUS (Lc. 18:1).
Não existe outro meio de nos comunicarmos com o Senhor, se não pela oração, por isso Jesus ensinou sobre o dever de orar sempre. A oração é a respiração espiritual do cristão. Devemos orar de forma que o trono de Deus seja tocado. Nosso nível de comunhão e poder são medidos pelo nosso tempo de oração (muita oração muito poder, pouca oração pouco poder, nenhuma oração nenhum poder).

2. PARA RECEBERMOS AS PROMESSAS DE DEUS (Jo. 16.23-24).
O Senhor Jesus disse que tudo quanto pedíssemos em seu nome nós receberíamos. Tiago disse que muitos não recebem porque não pedem (Tg. 4:2b). Na Palavra de Deus, existem milhares de promessas que são alcançadas pela oração:

- A salvação da família. (At.16.31).
-A salvação das autoridades e governantes. (I Tm 2.1-4)
- A cura dos enfermos (Mc. 16.18; Tg 5.14-15).
- O batismo no Espírito Santo e o falar em novas línguas. (Lc. 11.13).

3. QUANDO ORAMOS SOMOS RECOMPENSADOS (Mt.6.5-6):
A nossa oração sempre será recompensada pelos homens ou por Deus, pelos homens é quando oramos simplesmente para sermos vistos. Por Deus é quando estamos em secreto em comunhão com Ele. Todos os grandes homens e mulheres de Deus tinham algo em comum: um tempo a sós com Deus. A recompensa vem, pois o Senhor nos vê em secreto, quando ninguém nos vê e até mesmo em meio à multidão.

4. A NOSSA ORAÇÃO TEM PODER CONTRA SATANÁS E CONTRA O INFERNO
(Mc. 16.16-18)
Jesus se manifestou para que as obras de satanás fossem destruídas e Jesus disse que as portas do inferno não prevaleceriam contra a igreja do Senhor. Nós somos Sua igreja e através da oração e do jejum tomamos posse do poder derramado sobre nós, quebrando cadeias e castas de demônios. Que estejamos alerta, pois estamos em meio a uma guerra! Quando oramos com fervor e no poder do Espírito Santo, o inferno se abala.
Jesus destruiu satanás e os demônios porque era um homem que passava longas horas em oração (Mc. 1:35; Lc. 6:12).

5. JESUS DEU TODA IMPORTÂNCIA A ORAÇÃO (Mt. 6.9-13):
Jesus foi um homem de oração, em todo seu ministério deu grande importância à oração, ao ponto de ensinar seus discípulos a orar de uma forma fervorosa.
Existem alguns ingredientes para uma oração fervorosa: Paixão (intensidade); Poder (com a unção do Espírito); Propósito (devemos ter foco em nossas orações); Provisão (buscando a provisão de Deus em todas as coisas); Perdão (com um coração perdoador); Proteção (pedindo proteção); Preço (Entregando o Reino, Poder e Glória a Ele).

6. A ORAÇÃO É ARMA EFICAZ PARA A CONQUISTA DESTA GERAÇÃO.
(At.1:14; 2:42; 4:31)
Não conquistaremos nada para o Reino, se não formos um povo de oração e jejum. A conquista de nossa família, casa, cidade, nação e a multiplicação de cada célula somente serão possíveis por meio da oração. A Igreja que ora avança e rompe.
A Igreja primitiva era uma Igreja de oração, por isso, evangelizou todo o mundo daquela época. Através da oração conquistamos territórios no reino espiritual, por meio da oração os corações se quebrantam e se tornam receptivos a Palavra de Deus. Nosso evangelismo será muito mais produtivo se for regado de muita oração.


CONCLUSÃO: Em toda a história do cristianismo toda vez que a igreja se levantou para orar, Deus respondeu e veio avivamento, poder, curas e sinais e a igreja avançou. Conosco não será diferente, nós estamos entrando numa nova realidade espiritual durante “O Projeto Pescadores de Almas”, os céus estarão sendo abertos sobre nós.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

PROJETO PESCADORES DE ALMAS

TODAS AS REDES ENVOLVIDAS NESSE PROJETO, TEMOS MUITO AINDA QUE FAZER, PARA QUE VIDAS SEJAM SALVAS, LIBERTAS EM NOME DE JESUS! VAMOS NOS ENVOLVER NESSE PROJETO, PARA ARREBATAR AS VIDAS DO INFERNO, DAS MÃOS DE SATANÁS E TRAZÊ-LAS PARA A LUZ QUE É JESUS.